DESCRENÇA

Março 2, 2007

anthonyart500.jpg

Já senti o que era a ventania,

Que soprava forte junto ao Mar,

Nunca soube porém o que seria,

Se o vento parasse de soprar

 

Se a tristeza de repente acabasse,

E a dor com ela ao mesmo tempo,

Se o cinzento de colorido se pintasse,

De novo ganharia outro alento

 

Já não vejo as estrelas a brilhar,

No espaço sideral onde as via,

Meus olhos já não vêm ao olhar,

Esse brilho cintilante de magia…

 

Meus olhos perderam a beleza,

O gosto, o prazer, a fantasia,

Minha coragem perdeu sua destreza,

É amálgama de descrença, e agonia…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s